Sistemas de medição e calibrações para radiação UV

Atualmente, a situação de pandemia causada pelo vírus COVID-19 inspirou muitas empresas, institutos de pesquisa e designers de iluminação a adotarem a radiação ultravioleta como uma nova ferramenta nos seus projetos e pesquisas. O efeito germicida promissor da radiação UVC também no Coronavirus levanta a questão da medição confiável da radiação UV. No entanto, essa tarefa complexa precisa de experiência e equipamentos adequados. O sistema que atende a todos os requisitos para medições de UV consiste em um espectrorradiómetro de alta precisão com correção de luz difusa e sondas de irradiância ou esferas integradas de PTFE para medições de fluxo radiante total.
No entanto, uma calibração confiável e rastreável do sistema é um fator desafiador. Até agora, nenhum instituto metrológico nacional ofereceu um padrão de referência para o fluxo radiante total na região espectral UVB e UVC. Portanto, realizamos os nossos próprios padrões de calibração de LED UV rastreáveis [1], que completam o sistema de medição de radiação UV apresentado aqui.
 
Os padrões de calibração de LED UV foram desenvolvidos para comprimentos de onda de pico típicos de 280 nm (UVC), 305 nm (UVB) e 365 nm (UVA). A rastreabilidade do fluxo radiante foi alcançada pela calibração precisa do espectroradiómetro com a sonda de irradiância e uma medição integrativa subsequente usando um goniofotómetro. Esses padrões de calibração de LED UV podem ser usados para monitorização e calibração absoluta de equipamentos de medição de UV que consistem no espectrorradiômetro com correção de luz difusa e na esfera integradora.
 
Para minimizar a incerteza de medição do espectrorradiómetro, especialmente na faixa de UV, é necessária uma correção de luz difusa. Isso pode ser alcançado por uma fonte ótica sintonizável que emite linhas espectrais estreitas (<1 nm) em diferentes comprimentos de onda. Enquanto a fonte de luz ajusta a radiação de saída, o espectrorradiómetro aprimorado por UV deteta luz multi-ordem ou espalhamento interno ao lado do sinal real. Essa chamada luz difusa é então corrigida numericamente.
 
A maior contribuição para as incertezas de medição dos sistemas contendo esferas integradas é a fluorescência do material de revestimento. O procedimento especial de fabricação com politetrafluoretileno (PTFE) opticamente puro permitiu produzir novas esferas de integração com baixa fluorescência permanentemente desprezível. Esferas de integração praticamente livres de fluorescência em toda a faixa espectral começando em 200 nm podem ser realizadas para aplicações especiais usando métodos de fabricação completamente novos.

Dr. Ðenan Konjhodžić in INCULTA 2021
 
Este site armazena cookies no seu equipamento, utilizados para melhorar a sua experiência de navegação. Ao avançar concorda com a sua utilização e com a nossa Política de Privacidade. Saber mais